Evento na Victorias Secret

Evento na Victorias Secret
Evento na Victorias Secret

Casei: Meu penteado

Casei: Meu penteado
Casei: Meu penteado

Estados Unidos

Estados Unidos
Diario de Viagem TEXAS ESTADOS UNIDOS

Top 4 produtos para a saúde da pele

Oii meus amores, tudo certinho? Hoje trouxe uma seleção de produtos que deram certo para a saúde da minha pele. Esse ranking não segue uma ordem de melhor, para o pior, pois todos eles receberam a nota máxima de estrelas no meu coração: por mim, é claro! rs' :) Já que a minha pele acneica, meu cabelo seco e as minhas unhas quebradiças agradeceram.
↠ COLÁGENO FÁSCIA: Depois de muitas pesquisas, descobri que este é um dos colágenos que tem o seu beneficio comprovado cientificamente. O ideal é dar inicio aos 30 anos de idade, mas preferi começar a tomar suplemento vitamínico e colágeno aos 25. Não me arrependo. Afinal, isso serve para prevenir e de fato é algo que leva um tempo para se ter resultados satisfatórios. O legal (pra mim), é tomar todas as vitaminas necessárias por 6 meses. {Digo: vitamina de A à Zinco, vitamina C pura, ômega 3 6 9, e colágeno}. Dando sempre uma pausa de um mês sem nenhuma dessas vitaminas, e depois volto normalmente. Tomando sempre no café da manhã ou no almoço, uma capsula por dia de cada. Aí eu escolho, quais vão pro café da manhã e quais pro almoço. Lembrando que é sempre bom dar uma pausa de pelo menos uns trinta minutinhos de uma pra outra. 
Com o passar dos anos é reduzida a produção de colágeno em nosso organismo. Com essa redução, podemos tomar o FÁSCIA para que seja estimulada a produção do colágeno que vai deixando de ser feita pelo organismo, ele combate a atuação maligna dos radicais livres, ajudando a evitar a flacidez, assim como a hidratação e aquela pele viçosa é mantida e/ou restaurada.
↠ SABONETE LÍQUIDO ACTINE: Tenho 25 anos e há 2 anos conheci o meu queridinho, que por sinal, nunca mais dispensei. Demoro uns 5 meses para acabar com um frasco que pago em média R$27,00. " REPITO R$27,00 por 5 meses, é muuuuito barato." Vocês encontram ele em Farmácias e Drogarias e podem usar para lavar o rosto, uma gotinha de manhã e uma gotinha a noite quando for dormir. Não é necessário um monte porque ele rende demais. E com pouco você já consegue ver resultados numa pele como a minha {oleosa com cravos e acne/espinhas}.
Ele é indiciado para uma higienização suave. Sua fórmula com ácido salicílico, agente anti-inflamatório e queratolítico que proporciona o controle eficaz da oleosidade, desobstrui os poros, alisando a pele. O extrato de Aloe Vera hidrata e deixa a pele macia, evitando a sensação de repuxamento comum em outros sabonetes antiacne, graças a presença de agentes dermoprotetores. Apresenta ainda Lactato de Mentila, um derivado do Mentol que proporciona uma sensação de refrescância e limpeza.
↠  SUAVICID GEL:  Quem já teve espinhas, sempre sofre com o final do tratamento quando ficam as manchas. Isso é horrível. Mas também é valido para melasma, manchas de sol, limão e outros incômodos de nível leve à grave. O Suavicid promete remover essas manchas por conter mais de um acido na composição, sendo cada um agindo numa função. Então pelo amor de Deus e pelo amor que tenham por si mesmos, não usem este acido no sol, para assistir televisão ou quando forem ficar no celular. É passar no rosto seco e higienizado, esperar secar um pouco e dormir! Não dispensar o uso de hidratantes e muito protetor solar durante o dia inteiro. A pele vai descamar um pouco e isso é normal. Mas não deixa de ser um medicamento que só é vendido com prescrição medica. Me apaixonei por ele.
↠ ADACNE CLIN GEL: O Adacne Clin é composto por Adapaleno (derivado do ácido retinóico) e Clindamicina (antibiótico). A clindamicina é um antibiótico eficaz no combate a bacteria causadora da acne, já o adapaleno é um ácido e tem função de escamar a pele estimulando a sua regeneração, por isso o produto só deve ser usado à noite e retirado na manhã seguinte, e a utilização de filtro solar é OBRIGATÓRIA, já que a pele fica mais fina e sensível. Mas vocês leram o que eu falei no item anterior? Então aqui vim explicar! Um dia a noite eu uso o Suavicid, e no outro dia a noite eu uso o AdacneClin Gel. Achei uma combinação maravilhosa pra mim, por isso intercalo assim. E é valido lembrar que este só é vendido com prescrição medica, por conter antibiótico na sua formula. Outra opção é substituir o AdacneClin pelo Adapaleno 1mg da Medley. "Custo e beneficio sem o antibiótico".

↠ DICA EXTRA: Beber muita água, se relacionar com pessoas de boa índole, rir e brincar muito, agradecer a Deus sempre pele vida e pelo dia, boa alimentação e banhos frios. 🌼🌻🌷 tchauzinho e até o próximo post.

Oi, eu sou a Anne.


Oi, sou a Anne, e sumi daqui (definitivamente por 3 anos). Comecei o blog em 2010, firmei contrato com (superdomínios) em 2011 e dai por diante fui conquistando muitos amigos pela internet. Ganhei vários presentes, e para a época, eu achava o máximo, afinal, estava começando a ser reconhecida por grandes empresas.

Já em 2012 - 2013 comecei a observar um maior numero de blogs surgindo. Na época estava morando nos Estados Unidos e compartilhar minha rotina no exterior era um diferencial para os meus seguidores, já que acabava deixando muito interessante todo conteúdo postado aqui.

Em 2014 eu fui me desligando da internet porque a minha vida pessoal não conseguiu acompanhar toda a conquista que eu estava tendo com a minha vida profissional naquele momento. Era como que se eu realmente estivesse enfrentando a crise da adolescência, justamente com os meus 22 anos, onde eu já deveria ter definido qual faculdade escolher, ter mais opinião própria, não depender tanto dos outros amorosamente e inclusive da permissão para fazer as escolhas que eu tanto queria. Parece piada. Mas não foi.

Em seguida, enfrentei um relacionamento abusivo onde hoje, graças a Deus me desprendi totalmente de qualquer sentimento ruim que já esteve presente em minha vida antes. Mas porque, falar de tudo isso hoje? Três anos depois?

Bom, acabo de receber uma mensagem do superdomínios, onde há o aviso de desativação do meu blog. A principio falei a mim mesma. _ Ah! Tudo bem! (Mas por dentro me questionei várias vezes, por qual motivo deixar o meu blog morrer agora, onde finalmente consegui me encontrar?) É difícil de acreditar, mas eu li dia desses um trecho onde refleti muito sobre. Afinal, em seus mínimos detalhes aquelas palavras eram direcionadas DIRETAMENTE à mim, e a você - talvez.
“Alguns estão solteiros, alguns estão casados e esperaram 10 anos para ter um filho. Outros tiveram um filho depois de um ano de casados. Alguns se formaram aos 22 anos e esperaram cinco anos para conseguir um bom emprego. Outros se formaram aos 27 e encontraram o emprego de seus sonhos imediatamente. Alguns se tornaram presidentes de grandes empresas aos 25 e morreram aos 50, enquanto outros se tornaram presidentes aos 50 e viveram até os 90.
Cada um trabalha com seu próprio fuso horário. As pessoas conseguem lidar com situações apenas de acordo com seu próprio tempo. Trabalhe com seu próprio tempo. Seus colegas, amigos, conhecidos mais jovens podem parecer estar “à frente” de você; outros podem parecer estar “atrás”. Não os inveje nem zombe deles. Apenas estão em seu próprio tempo – e você está no seu. Você não está atrasado nem adiantado. Você está exatamente na hora certa”.
Por isso decidi não desativar, e tentar por mais uma vez, compartilhar conteúdos que tanto amo. Alias, estou na minha melhor fase, na minha melhor versão de mim mesma. Talvez hoje realmente seja o momento em que eu estou mais preparada para #compartilhar. Estou de volta, de novo! Sem sentimentos frustados, nem de perda, nem de raiva, nem tristeza. Tudo acontece por um motivo . Crescer espiritualmente. 

Feliz sozinha, feliz acompanhada.


Valorizo bastante os meus momentos de solidão. De rodar pela casa com a música nas alturas, olhar para mim mesma no espelho e, sem vergonha, ensaiar discursos de um futuro imaginário – ou perder alguns segundos com o olhar perdido, tomando aquele solzinho de inverno que entra pela janela, sem me preocupar com mais ninguém.
É como se eu deixasse a minha carga pesada ir embora e voltasse a ser leve, mesmo que isso resulte num esvaziamento gradual. Na verdade, é mais ou menos por aí: estes momentos sempre se dão depois de dias cheios, como se fossem paradas necessárias numa rotina turbulenta, em que a paz preenche cada pedacinho meu. Não à toa.
Só que nem sempre é bom. Depois de algum tempo, sinto falta de ouvir uma resposta aos meus questionamentos. Também é legal poder comentar observações que surgem inesperadamente ou compartilhar ideias. Sou uma pessoa que, por mais que dê certo sozinha, precisa de gente me rodeando para funcionar melhor.
Me recarrega conversar, abraçar, desabafar e olhar para um rosto que não seja o meu… Aprender com alguém que está ao meu lado vira a tomada que marca o raio enchendo a bateria. De certa forma, sei que é natural e que, por vivermos em sociedade, essa necessidade de companhia constante não é ruim.
O meu medo é isso evoluir para uma certa dependência, como se eu precisasse estar ligada a outros o tempo todo, como um aparelho viciado, que não funciona mais sozinho. E sabemos o que acontece com este tipo de equipamento, né? Você o despluga da energia e ele simplesmente desliga.
Por isso, tomo cuidado. Paro no meio termo e repenso.
Percebo que a felicidade tem que estar bem dividida entre as duas situações, como uma mãe que tenta ser justa ao repartir o doce da padaria com seus dois filhos. Gosto de estar sozinha, gosto de estar em grupo. Gosto de viver só, mas também gosto de ter pessoas comigo.
A motivação para abrir sorrisos frequentes nas duas ocasiões tem que existir. E sigo assim, cuidando para encontrar a alegria na convivência com o outro e na falta dela também. Desse jeito, não tem erro. (Texto: Depois dos Quinze).

Guarda roupa - Com que saia eu vou.

A saia que aparece na foto acima, com botões na frente, prometeu ser a nova queridinha do verão passado. Nos países lá fora, ela já é tendência há algum tempo, mas, por aqui, ainda está chegando bem de mansinho, como quem não quer nada… E promete conquistar o seu coração! O mood dela é bem anos setenta, década em que a peça foi popularizada. Mas não precisa já criar um catálogo de looks boho na cabeça para usá-la não, viu? A saia pode ficar muito legal seja qual for o seu estilo. Eu trouxe inspirações lindíssimas de como vestir os mais diversos modelos de saias. Vamos lá!

Sei esperar, mas prefiro começar


Sala de espera do dentista. Folheio algumas revistas e percebo que são bem antigas. Falam da penúltima novela das nove, dão manchete para aquele casamento badalado que agitou as redes sociais em julho e tem uma coluna com aquela tendência de moda que demorou para chegar aqui no interior. Coisa de cidade pequena, né? Agora até a moça que espera ao meu lado está usando uma peça destas. Caiu bem nela. Estou falando das chokers.
Penso nelas e em como foi rápida sua ascensão. Lembro que, quando comecei a usar, disseram que era anos 90 demais, meio coisa de criança. Nem liguei: estava louca para parecer uma integrante das Spice Girls! Aos poucos, elas foram ganhando as ruas, e então finalmente consegui comprar os modelos que via lá no Tumblr: com pingente de coração, três voltas, toda feita de veludo, em cores diferentes e até cheia de pedrinhas brilhantes.
Mas devo ser sincera e admitir que não soube esperar. Antes de invadirem lojas – até o preço cair para menos de cinco reais -, eu quis tanto ter a minha que decidi fazer uma. Procurei um tutorial (gringo, porque os brasileiros ainda não existiam) que ensinava a confecção com linha de pesca. Arranjei a tal linha numa gaveta lá do sítio, passei esmalte preto (eu gostava daquele esmalte!) e trancei de ponta a ponta, assim como ensinava o vídeo que vi. Demorou, ainda mais para mim, que nunca consegui fazer uma trança bem feita no cabelo de ninguém. Mas deu certo: comecei o dia com ideias e terminei a noite com uma choker. Wow!
Sempre fui um pouco assim. “Você não sabe esperar?” é uma frase dita com frequência pela minha mãe – pode perguntar a ela. E eu sei esperar, sim, mas prefiro seguir indo mesmo, viu?
Para mim, o contrário de esperar não é desistir. O antônimo é começar. Libertar a vontade momentânea que pega do primeiro fio de cabelo até o dedinho do pé e deixá-la tomar conta.
Não é como se eu fosse uma criança mimada que nunca cresceu: também sei dar tempo ao tempo. Já ouvi muitos “nãos” na vida e não foi a falta deles que me causou esse sentimento de urgência. Mas, às vezes, em alguns momentos, parece que o tempo congelou e eu estou ali, dentro do refrigerador, esperando pintar verão para alguém tirar o refrigerante geladinho. E se ainda for inverno? Ah, cara, vai demorar muito. Sou do tipo que arregaça as mangas. Vamos? Vamos. 
Se o caminho está fechado, mas, ao lado, há uma estrada velha, bora enfrentá-la! Eu não gosto de desperdiçar tempo. Não gosto de pensar que vou perder horas parada. É, o problema é justamente esse: a paralisação me amedronta. 
Não sei se é coisa da minha geração, consequência das redes sociais, movimento de pessoas ansiosas ou qualquer outra razão. Talvez seja. Mas confesso que sou exatamente assim – e até gosto de ser. Este imediatismo me traz frescor. Os primeiros passos são mais empolgantes e cheios de novidades e desbravar novas trilhas me parece como uma caixinha de surpresas que está sendo aberta, ali, por mim, pela primeira vez. Não é impaciência: posso até fazer tudo com calma, mas quero, pelo menos, estar fazendo. Há felicidade na minha prontidão.
E, ah, vale lembrar que nem sempre tudo sai perfeito. Voltando às chokers, toda vez que eu usava a gargantilha que fiz, ela deixava marcas de esmalte no meu pescoço, como tatuagens de henna. Efeitos colaterais da pressa, e jamais poderei desconsiderá-los. Afinal, eles sempre existirão.
Curioso pensar que tudo isso começou justo numa sala de espera, não é mesmo? A vida não espera nadinha para aproveitar as oportunidades de se mostrar engraçada!