Faculdade para Blogueiros(as)

Faculdade para Blogueiros(as)
Faculdade para Blogueiros(as)

Acne / Espinhas

Acne / Espinhas
Acne / Espinhas

Estados Unidos

Estados Unidos
Diario de Viagem TEXAS ESTADOS UNIDOS

Sei esperar, mas prefiro começar


Sala de espera do dentista. Folheio algumas revistas e percebo que são bem antigas. Falam da penúltima novela das nove, dão manchete para aquele casamento badalado que agitou as redes sociais em julho e tem uma coluna com aquela tendência de moda que demorou para chegar aqui no interior. Coisa de cidade pequena, né? Agora até a moça que espera ao meu lado está usando uma peça destas. Caiu bem nela. Estou falando das chokers.
Penso nelas e em como foi rápida sua ascensão. Lembro que, quando comecei a usar, disseram que era anos 90 demais, meio coisa de criança. Nem liguei: estava louca para parecer uma integrante das Spice Girls! Aos poucos, elas foram ganhando as ruas, e então finalmente consegui comprar os modelos que via lá no Tumblr: com pingente de coração, três voltas, toda feita de veludo, em cores diferentes e até cheia de pedrinhas brilhantes.
Mas devo ser sincera e admitir que não soube esperar. Antes de invadirem lojas – até o preço cair para menos de cinco reais -, eu quis tanto ter a minha que decidi fazer uma. Procurei um tutorial (gringo, porque os brasileiros ainda não existiam) que ensinava a confecção com linha de pesca. Arranjei a tal linha numa gaveta lá do sítio, passei esmalte preto (eu gostava daquele esmalte!) e trancei de ponta a ponta, assim como ensinava o vídeo que vi. Demorou, ainda mais para mim, que nunca consegui fazer uma trança bem feita no cabelo de ninguém. Mas deu certo: comecei o dia com ideias e terminei a noite com uma choker. Wow!
Sempre fui um pouco assim. “Você não sabe esperar?” é uma frase dita com frequência pela minha mãe – pode perguntar a ela. E eu sei esperar, sim, mas prefiro seguir indo mesmo, viu?
Para mim, o contrário de esperar não é desistir. O antônimo é começar. Libertar a vontade momentânea que pega do primeiro fio de cabelo até o dedinho do pé e deixá-la tomar conta.
Não é como se eu fosse uma criança mimada que nunca cresceu: também sei dar tempo ao tempo. Já ouvi muitos “nãos” na vida e não foi a falta deles que me causou esse sentimento de urgência. Mas, às vezes, em alguns momentos, parece que o tempo congelou e eu estou ali, dentro do refrigerador, esperando pintar verão para alguém tirar o refrigerante geladinho. E se ainda for inverno? Ah, cara, vai demorar muito. Sou do tipo que arregaça as mangas. Vamos? Vamos. 
Se o caminho está fechado, mas, ao lado, há uma estrada velha, bora enfrentá-la! Eu não gosto de desperdiçar tempo. Não gosto de pensar que vou perder horas parada. É, o problema é justamente esse: a paralisação me amedronta. 
Não sei se é coisa da minha geração, consequência das redes sociais, movimento de pessoas ansiosas ou qualquer outra razão. Talvez seja. Mas confesso que sou exatamente assim – e até gosto de ser. Este imediatismo me traz frescor. Os primeiros passos são mais empolgantes e cheios de novidades e desbravar novas trilhas me parece como uma caixinha de surpresas que está sendo aberta, ali, por mim, pela primeira vez. Não é impaciência: posso até fazer tudo com calma, mas quero, pelo menos, estar fazendo. Há felicidade na minha prontidão.
E, ah, vale lembrar que nem sempre tudo sai perfeito. Voltando às chokers, toda vez que eu usava a gargantilha que fiz, ela deixava marcas de esmalte no meu pescoço, como tatuagens de henna. Efeitos colaterais da pressa, e jamais poderei desconsiderá-los. Afinal, eles sempre existirão.
Curioso pensar que tudo isso começou justo numa sala de espera, não é mesmo? A vida não espera nadinha para aproveitar as oportunidades de se mostrar engraçada!

Algumas inspirações de penteadeiras

As penteadeiras ganharam muito espaço no século XV, mas foi graças à Hollywood que esse móvel é sinônimo de glamour e é tão desejado. Quando eu era pequena adorava sentar na penteadeira da minha avó para brincar com as escovas dela e hoje choro por aquele móvel. Mas, hoje não é tão difícil conseguir uma bela penteadeira, temos a opção de personalizar um móvel – para quem gosta de D.IY. – Temos centenas de lojas online para fazer a compra ou podemos encomendar o móvel do nosso jeitinho. Existem diversos modelos: retro, vintage, camarim, provençal – ou de princesa. Sem contar a grande possibilidade de cores! Sabe o que pode te ajudar na hora de escolher? Sua personalidade! Parece besteira, mas quando as penteadeiras começaram a ser objeto de luxo no meio da realeza, elas eram confeccionadas como um objeto que seguia o estilo do quarto, e o seu quarto reflete sua personalidade, né? Então escolha um modelo que irá combinar com as cores e o estilo do restante da sua decoração. Para te ajudar na busca de inspirações, separei alguns modelos. Qual deles será o meu? Alguma sugestão? rs'

Para enfeitar você pode selecionar vidrinhos de perfumes e colocar em uma bandeja, colocar espelhos redondos menores, caixinhas delicadas, porta-pincéis e até mesmo flores! No YouTube mesmo encontramos muitos D.I.Y’s ótimos com dicas de personalização e até mesmo para transformar um móvel velho em uma bela penteadeira. Gostou? Compartilha comigo qual o seu estilo preferido! Ah! Eu também estou pelo instagram: @annecrisley, com várias fotinhas e dicas de amiga. ;**

O estilo que me define: Manuela Rodrigues

Hey heey meus amores, tudo certinho com vocês? Olha que já faz tempo que eu não compartilho os looks que andam mais me inspirando por ai, e como me sobrou um tempinho hoje, corri aqui pra poder compartilhar com vocês. Conheci a Manu não tem tannnnto tempo, foi ano passado ou retrasado. (Sorry, I forget it ), é que eu sempre fui uma seguidora não muito ativa, mas depois de um tempo, percebi que precisava compartilhar mais vezes os meus sentimentos com as pessoas que de alguma forma me inspiravam, e sem duvidas a Manucita, é uma delas. Olhem só que #bapho mores.
E ai mulheeeeer, goxtou Conheça outros looks da Manu, através do instagram dela, clique aqui: @bymanuelarodrigues que é TI-RO! beijos beijos e até o próximo post.

Adacne Clin: Antibiótico para as espinhas

E cá estamos nós, para mais uma saga. Em pouco mais de uma semana eu já consigo fazer uma resenha do que achei desse produtinho. O Adacne Clin (Glenmark) é um produto mais forte, e só é vendido com prescrição médica por conter antibiótico. Aplico no rosto durante a noite, todos os dias, e o retiro pela manhã quando limpo a pele com o sabonete liquido Actine + hidratante. O Adacne Clin é responsável pelo combate das bactérias que ficam nos poros e formam os cravos e espinhas. 

Meus finalmentes: Secaram as minhas espinhas de forma bem mais rápida do que imaginei, continuo usando protetor solar e acabo passando por mais de 3 vezes por dia, acho importantíssimo o cuidado com o sol e por muitas vezes trabalhar com o blog/instragram (@annecrisley), pelo celular e no meu serviço ficar muito em frente de computadores, acaba sendo prejudicial para o tratamento e para a saúde do meu rosto, por isso todo cuidado é pouco. 

Eu definitivamente acreditei num resultado sensacional. Mas vale lembrar que se trata de um medicamento, então tem que ter um acompanhamento médico. Nota mil pra um produto que esta clareando as manchinhas de acne e as tirando ao mesmo tempo.
Quer encontrar produtinhos (NO BRASIL), com aquele SUPER desconto? Não fiquem de fora dessa. É só acessarem esse site: Cupom Valido (http://www.cupomvalido.com.br/) e ficar por dentro de todas as promoções através de cupons que eles disponibilizam para diversas lojas de DI-VER-SOS setores. Vem comigo que é LU-CRO!   Super beijos..

Texto: Deixe o coração fluir

Se você deixasse o seu coração falar, o que ele diria ao mundo?

Pessoas sinceras, na maioria das vezes, costumam dizer o que dá na telha. A gente até comenta que elas são “sem filtro” ou, em outras palavras, “não pensam muito para falar”. Mas é claro que o tal filtro existe, sim. Um pouquinho velho, já com marcas de uso e alguns furinhos, que permitem que opiniões saiam desenfreadas. Mas que ele está ali, está.
Todo mundo tem um desses. Tem gente que o usa com mais frequência e, se você sente a falta do seu, não é porque ele não existe: deve ser apenas algum tipo de problema – e tem jeito de arrumar.
Um dos defeitos mais comuns (e não tão legais) rola quando nada mais passa pelo tal filtro. O que fica é apenas uma imitação de fatos passados e a cópia daquilo que você sempre foi: ou seja, uma repetição ininterrupta, sem emoção. O frescor de cada atitude até quer aparecer, mas não consegue.
E aí achamos que alguma luz se apagou dentro da gente. Afinal, nunca fomos assim. O que aconteceu?
O fato é que estávamos apenas olhando para o lugar errado: a questão não está nas luzes, não. Pode checar: nenhuma delas está queimada. Algumas coisas foram se acumulando e, agora, impedem que boa parte de suas belezas cheguem ao mundo. Sua entrega é bem menor. Sua vontade, então, nem se fala. Tudo fica meio sem açúcar e sem sal – não há gosto de nada.
Não tem outro jeito, percebe? Está na hora de limpar-se e deixar fluir o coração.
No começo, pode ser que não seja tão legal: toda limpeza implica em alguns momentos cansativos e, de certa forma, desgastantes. Você terá que lidar com mágoas passadas, voltarão à tona aquelas memórias já desgastadas e frias… Mas isso é só no início. Depois, voltará a passar por ali tudo de legal que você sempre teve. 

(Texto compartilhado com muito amor: Depois dos Quinze)